Como ficou o ministério de Bolsonaro, com 7 pastas a mais do que prometido

São Paulo — Com o anúncio neste domingo (9) de que Ricardo Aquino Salles vai ocupar o Ministério do Meio Ambiente, Jair Bolsonaro completou a escolha do time que fará parte de seu governo a partir de janeiro de 2019. Ao todo, serão 22 pastas — sete a mais do que o prometido no início de sua campanha eleitoral. Atualmente, o governo de Michel Temer tem 29 ministérios. A justificativa para enxugar a máquina federal, segundo o presidente eleito, foi para reduzir custos. Não se sabe, entretanto, de quanto será essa redução e a estimativa é que não haja impacto significativo no orçamento. No esquema fechado, 16 pastas ficarão na Esplanada, quatro no Palácio do Planalto e outros dois serão transitórios. A Advocacia-Geral da União (AGU) e o Banco Central (BC) devem perder o status nos próximos meses, após mudanças legislativas.

Vai e vem

Até finalizar todas as indicações, as decisões do futuro governo foram marcadas por indas e vindas. Alguns dias após ser eleito, Bolsonaro afirmou que o Ministério da Agricultura se fundiria com o Ministério do Meio Ambiente. Após protestos de que isso enfraqueceria a pasta, inclusive arranhando a imagem do país no exterior, o presidente recuou da mudança. A extinção do Ministério do Trabalho também foi alvo de inúmeras críticas. No entanto, o fim da pasta foi determinado e seu trabalho será dividido para três pastas. Outro impasse foi o destino da Funai, que agora ficará com Damares Alves, no Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. O órgão que defende os interesses dos indígenas e sempre esteve no escopo da Justiça foi cotado para a Agricultura.

Militares

O primeiro escalão do governo Bolsonaro conta com a participação de ao menos sete integrantes do Exército brasileiro. Além de seu vice, o general Hamilton Mourão, o presidente eleito terá Carlos Alberto dos Santos (Secretaria de Governo), Tarcísio Freitas (Infraestrutura), Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Internacional), Bento Costa e Lima Leite (Minas e Energia) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia). Todos eles já tiveram experiências militares. Fonte:Exame
Facebook Twitter Google+ linkedin email More
Copyright © GUIA WEST - Sistema de Guia Comercial